ONU diz que 2017 será um dos anos mais quentes da história

ONU diz que 2017 será um dos anos mais quentes da história

Este ano será um dos três mais quentes já registrados, um novo sinal da mudança climática provocada pelo homem, que está agravando "eventos climáticos extraordinários" como furacões, secas e

Leia tudo

Este ano será um dos três mais quentes já registrados, um novo sinal da mudança climática provocada pelo homem, que está agravando "eventos climáticos extraordinários" como furacões, secas e inundações, alertou a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta segunda-feira.

O relatório da ONU foi elaborado como diretriz para as quase 200 nações que se reúnem em Bonn, na Alemanha, entre os dias 6 e 17 de novembro na tentativa de fortalecer o acordo climático de Paris de 2015 apesar da promessa dos Estados Unidos de se desligarem do pacto.

2017 está a caminho de ficar entre os três anos mais quentes", disse a Organização Meteorológica Mundial (OMM), projetando que as temperaturas de superfície médias ficarão um pouco menos escaldantes depois de um recorde em 2016 e aproximadamente iguais às de 2015, o ano anterior mais quente.

E 2017 seria o mais quente já registrado sem o El Niño, evento natural que libera calor do Oceano Pacífico aproximadamente a cada cinco anos, comunicou. O El Niño elevou as temperaturas globais em 2015 e 2016.

"Testemunhamos eventos climáticos extraordinários", disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, em um comunicado relativo a 2017, ressaltando furacões intensos no Atlântico e no Caribe, temperaturas acima dos 50 graus Celsius no Paquistão, Irã e Omã, enchentes de monção na Ásia e secas na África Oriental.

"Muitos destes eventos --e estudos científicos detalhados determinarão exatamente quantos-- trazem o sinal delator da mudança climática causada pelas concentrações maiores de gases de efeito estufa das atividades humanas", afirmou.

A reunião de Bonn deve elaborar um "livro de regras" para o Acordo de Paris, que almeja acabar com a era dos combustíveis fósseis na segunda metade do século mudando a matriz da economia mundial para energias mais limpas, como a eólica e a solar.

"Estas descobertas sublinham os riscos crescentes para pessoas, economias e o próprio tecido da vida na Terra se não entrarmos nos eixos com as metas e ambições do Acordo de Paris", disse Patricia Espinosa, secretária-executiva de Mudança Global do Clima, da ONU, que preside a cúpula de Bonn.

Posts Relacionados