Não sou um monstro", diz torturador dos próprios filhos

Não sou um monstro", diz torturador dos próprios filhos

"Não sou um monstro", diz torturador dos próprios filhos Jonathan Allen e Ina Rogers Um homem da Califórnia acusado em vários casos de tortura e abusos contra menores, alguns dos quais contra seus

Leia tudo


"Não sou um monstro", diz torturador dos próprios filhos


Jonathan Allen e Ina Rogers
Um homem da Califórnia acusado em vários casos de tortura e abusos contra menores, alguns dos quais contra seus próprios filhos, negou as acusações e afirmou que "não é um monstro" em uma entrevista na prisão.

Jonathan Allen, de 29 anos, e sua companheira, Ina Rogers, de 30, foram presos depois que as autoridades encontraram dez crianças em condições desumanas em uma casa na Califórnia.

Leia também:
Como o STF atuou em relação à tortura nos anos de chumbo
dupla submetia as crianças a torturas que incluíam afogamento, dardos e água fervendo, informaram as autoridades americanas na quarta-feira.

Em uma entrevista ao canal KGO-TV a partir da prisão, Allen negou ter cometido os abusos: "eu não fiz nada do que disseram que eu fiz".

"Não sou perfeito, ninguém é perfeito", argumentou, "mas não sou um animal, nem um torturador, nem um monstro", defendeu-se o pai biológico de algumas das vítimas.

Allen foi acusado por sete casos de tortura e nove por abuso de crianças.

Rich Pedroncelli/AP

A Promotoria descreveu as agressões em documentos apresentados à Justiça. "Continuamente as crianças eram agredidas, estranguladas, mordidas, atacadas com armas como bestas, ou pistolas de ar comprimido, agredidas com pedaços de pau e submetidas ao submarino", uma técnica de tortura que consiste em manter a vítima sob a água para não respirar.

"Devido aos diversos tipos de abuso, as crianças têm distintos tipos de cicatrizes, incluindo braços fraturados", revelou a Promotoria, acrescentando que o casal também fervia água para jogar nos menores.

Os dois foram detidos em 31 de março em sua casa na cidade de Fairfield, ao norte de San Francisco, após a Polícia atender ao chamado de um menino.

Ao chegar ao local, os policiais encontraram nove crianças encolhidas no centro da sala de uma casa, onde havia lixo e fezes por toda parte.

"As crianças descreveram detalhadamente todos os abusos", que eram cometidos há vários anos.

Rogers e Allen foram detidos: a mulher, sob a acusação de abuso infantil, e o marido, por abuso e tortura.

O caso tem semelhanças com a barbárie envolvendo o casal Louise e David Turpin, divulgado em janeiro passado, também na Califórnia. Os dois mantinham seus 13 filhos em condições desumanas.


Veja também
Soldado que denunciou homofobia em batalhão é expulso de corporação
Indicada para a CIA defende interrogatórios, mas promete não retomar torturas
Comissão defende revisão da Lei de Anistia no STF
Professora acusada de agredir crianças em escola pública responderá por tortura
São Paulo tem 1 denúncia de tortura a cada 15 dias
© UOL 1996-2018