Jair Bolsonaro - o Messias às avessas; confira

Jair Bolsonaro - o Messias às avessas; confira

Jair Bolsonaro está impossível! Em entrevista ao Estado, ele defendeu a criação de campos de refugiados, para os venezuelanos que estão no Brasil e confessou que escreveu uma carta para o presidente

Leia tudo

Jair Bolsonaro está impossível! Em entrevista ao Estado, ele defendeu a criação de campos de refugiados, para os venezuelanos que estão no Brasil e confessou que escreveu uma carta para o presidente da Indonésia, o parabenizando pelo fuzilamento do brasileiro Marcelo Archer, condenado a pena capital, por tráfico de drogas naquele país.

Eu não sei bem o porquê, mas, sempre que ouço essas pérolas saírem da boca de Bolsonaro, fico com a impressão de que o nazismo ressurge de forma neo liberal. A ideologia política do deputado, além de reprovável, contradiz o que ele diz ter como princípios éticos e religiosos. Nem é preciso estar muito atento aos detalhes, para percebermos que Bolsonaro é um oportunista. Mas, ainda pior que o seu oportunismo, é a sua maldade pessoal, sob a égide da imposição da lei.

Jair Bolsonaro não está preparado para governar, visando o bem da coletividade, porque ele coloca as suas convicções pessoais acima de qualquer projeto de justiça e de igualdade social. As suas falas racistas, machistas, homofóbicas e até xenófobas, explicitam isso. E o mais interessante, é que, os cidadãos de bem, membros do seu fã clube, não reprovam e nem sequer contestam, as sandices ditas por ele. Uns, por serem parvos o suficiente, para replicarem tais ideias e outros por serem portadores da mesma maldade pessoal que o seu líder.

Bolsonaro, pode, sim, ser considerado um messias para muita gente. Aquele que veio para libertar os racistas, os machistas, os homofóbicos e os xenófobos, e aliviar-lhes o peso do fardo de serem preconceituosos, sem terem que abandonar os seus preconceitos. Ele traz um evangelho as avessas. Uma boa nova para aqueles que, até sentiam uma pontinha de culpa interior, por serem segregadores, violentos, agressivos, estúpidos e ignorantes. Mas, que agora, se sentem confortados com a palavra que os libertou da dor na consciência e remidos pelo sangue que o seu novo salvador promete derramar.

Ele é o espelho que reflete a intolerância presente em muitos, mas, que pela ausência de uma figura pública que a representasse, era então contida. Na mesma entrevista ao Estado, Bolsonaro disse: "Quando dou uma palestra, o cara acredita no que eu falo, é simples. Inclusive uso a máxima bíblica, João 8:32, 'conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.'" A verdade a qual ele se refere, é a sua. Ainda que não externe isso, de maneira direta, Bolsonaro se considera a nova versão do "caminho, a verdade e a vida" e quem está não está a seu lado, está contra ele.

A ideia de construir campos de refugiados, para os venezuelanos que estão no país, é puro sadismo. É uma forma de impor a esses estrangeiros, condições inferiores aos nativos da terra, para usá-los como exemplo de um possível fracasso da ideologia da esquerda na América. É usá-los como atração principal do circo do neo liberalismo. Eu imagino as condições que seriam impostas à presença desses refugiados, caso Bolsonaro chegue a presidência. Seria contar até três, para termos os primeiros campos de concentração neo liberais da história da humanidade.

Sobre a carta enviada ao ditador da Indonésia, o parabenizando pelo fuzilamento do brasileiro, gostaria de ouvir a opinião dos cristãos que o seguem. Em especial, a do senador Magno Malta, seu possível vice e um dos ícones da moral evangélica e dos bons costumes no país. A opinião de Cristo, eu já sei. Baseado nos ensinamentos que ele mesmo nos deixou. Lamento que os seguidores de Bolsonaro, não se baseiem em tais ensinamentos e temo que eles estejam associando qualquer senso de justiça, a um mito, inconsequente, desequilibrado, intolerante, agressivo e pretensioso.

Se uma justiça cega, já é difícil de aturar, imagina, uma justiça cega e louca? Seria o reino do mito. Que o reino de Deus chegue antes! Bem antes!

Oremos!