Foram estas estruturas construídas pelo homem há um milhão de anos?

Foram estas estruturas construídas pelo homem há um milhão de anos?

A maioria dos arqueólogos e historiadores concorda que a civilização humana só surgiu entre 10 mil e 12 mil anos atrás. No entanto, muitos pesquisadores chamaram a atenção para artefatos e várias

Leia tudo

A maioria dos arqueólogos e historiadores concorda que a civilização humana só surgiu entre 10 mil e 12 mil anos atrás. No entanto, muitos pesquisadores chamaram a atenção para artefatos e várias outras evidências de civilizações avançadas muito antes disso, mesmo milhões de anos antes.

Entre eles está o Dr. Alexander Koltypin, geólogo e diretor do Centro de Pesquisas em Ciências Naturais da Universidade Internacional Independente de Ecologia e Politologia de Moscou.

Koltypin analisou antigas estruturas subterrâneas em todo o Mediterrâneo e identificou semelhanças que o levam a acreditar que os locais já foram conectados. Além disso, o intemperismo das estruturas, sua composição material e as características geológicas e mudanças históricas na região levaram-no a acreditar que foram construídas por uma civilização avançada há centenas de milhares, ou milhões de anos.



Arqueólogos que trabalham na região geralmente datam os locais observando os assentamentos localizados neles ou nas proximidades. Mas esses assentamentos foram simplesmente construídos em estruturas pré-históricas existentes, disse Koltypin.

Ele escreveu em seu site:

Quando examinamos as construções … nenhum de nós jamais teve a menor dúvida de que são muito mais velhas do que as ruínas das cidades cananéias, filistéias, hebraicas, romanas, bizantinas e outras que são colocadas sobre elas e ao redor.

Ele escalou uma colina de cerca de 400 metros de altura, perto das ruínas Hurvat Burgin na Reserva Natural Adullam Grove, no centro de Israel. Enquanto olhava o local, ele lembrou de uma sensação semelhante de quando subiu ao topo da cidade de rocha, Cavusin, na Turquia.


Ele disse:

Eu estava pessoalmente convencido mais uma vez … que todos esses entalhes retangulares, estruturas subterrâneas feitas pelo homem e destroços de megálitos espalhados eram um complexo megalítico subterrâneo-terrestre que foi aberto pela erosão a uma profundidade de várias centenas de metros.

Erosão e formação de montanha
Nem todas as partes do suposto complexo ainda estão no subsolo. Alguns chegaram muito acima do solo com mudanças geológicas ao longo da história – as antigas cidades rochosas da Capadócia na Turquia, por exemplo, as quais Koltypin inclui no complexo.

Algumas partes também podem ser encontradas sob o Mar Mediterrâneo, como é indicado pelas estruturas ao longo da costa.


Aldeia Cavusin na região da Capadócia, na Turquia. (Cortesia de Alexander Koltypin)

No centro e norte de Israel e no centro da Turquia, Koltypin estima que os locais foram expostos após um corte erosivo na Terra de várias centenas de metros (mais de 300 metros).

Ele escreveu:

De acordo com minhas estimativas, essa profundidade de erosão … dificilmente poderia ser formada em menos de 500.000 a 1 milhão de anos.

Ele supõe que parte do complexo foi trazido à superfície como resultado da orogenia alpina (formação de montanhas).

A composição de materiais de construção em um local em Antalya, na Turquia, que Koltypin chama de “sítio de Jernokleev”, também tem cerca de 500.000 a 1 milhão de anos, de acordo com sua estimativa.

Os arqueólogos geralmente datam as estruturas feitas pelo homem em Jernokleev até a Idade Média. Mas Koltypin diz que os materiais indicam uma idade muito mais avançada.


Uma estrutura de pedra antiga em Antalya, Turquia. (Cortesia de Alexander Koltypin)

Tal profundidade de erosão… dificilmente poderia ser formada em menos tempo que 500.000 a 1 milhão de anos.
– Dr. Alexander Koltypin, Universidade Independente Internacional de Ecologia e Politologia

O que ele identifica como um “cimento” rosa inclui fragmentos de cerâmica feitos pelo homem e basaltos de origem vulcânica, entre outros materiais. A última vez que um vulcão ativo estaria presente na região para fornecer os basaltos seria de 500.000 a 1 milhão de anos atrás.

Embaixo d’água
Como resultado da crosta terrestre se movendo ao longo de eras distantes, partes do complexo subterrâneo foram mergulhadas sob o nível do mar, disse Koltypin.

Ele escreveu:

Praticamente em todas as construções subterrâneas estudadas de Israel, e na maioria das construções subterrâneas da Turquia, os sedimentos de depósitos de argila litificada (dura) e calcária são amplamente desenvolvidos em seu solo.

A natureza dos depósitos sugere que o complexo ficou submerso por muito tempo.

Megálitos similares e entradas subterrâneas
As ruínas megalíticas semelhantes nos vários locais fazem parte do que levou Koltypin a supor uma conexão entre os locais, unidos em um gigantesco complexo pré-histórico.

Os blocos megalíticos que pesam dezenas de toneladas parecem ter, em algum momento, sido anexados diretamente às construções subterrâneas, disse ele.

Esta circunstância me deu uma razão para chamar as estruturas subterrâneas e as ruínas geograficamente relacionadas, de muros e edifícios ciclópicos como um único complexo megalítico subterrâneo-terrestre.


Uma entrada ao subterrâneo em Hurvat Burgin na reserva natural do bosque de Adullam em Israel.
(Cortesia de Alexander Koltypin)


Uma entrada ao subterrâneo em Hurvat Burgin na reserva natural do bosque de Adullam em Israel. (Cortesia de Alexander Koltypin)

As construções megalíticas parecem superar as capacidades tecnológicas das civilizações convencionalmente acreditadas a as terem construído, disse Koltypin. Por exemplo, permanece um mistério como os megálitos de 800 toneladas em Baalbek, no Líbano, foram transportados de uma pedreira para sua localização atual.


Maior megálito antigo conhecido. Baalbek, Líbano – Quem realmente o fez? (Wikimedia Commons)

As pedras se encaixam perfeitamente sem cimento em algumas partes , e os tetos, colunas, arcos, portões e outros elementos parecem estar além do trabalho de homens com cinzéis, disse Koltypin. As marcas de cinzel que costumam dizer que foram construídas em tempos mais recentes ocorrem apenas em algumas partes das estruturas e parecem ter sido gravadas lá muito depois que as estruturas originais foram construídas, disse ele.

Ele observou que as estruturas construídas sobre ou perto dos locais pelos romanos ou outras civilizações são comparativamente primitivas.

É dentro de um contexto de outras descobertas sugerindo civilizações pré-históricas avançadas, que Koltypin apresenta sua hipótese.


Misteriosos rastros antigos cortam a paisagem no Vale Frígio da Turquia. Qual é a verdade sobre quem fez essas faixas e como? (Cortesia de Alexander Koltypin)

Por exemplo, ele estudou os antigos rastros que cruzam o Vale Frígio da Turquia, e inferiu que eles são rastros petrificados de “veículos antediluvianos desconhecidos”, de milhões de anos atrás.

Lendas tradicionais muitas vezes descartadas como mito também falam de civilizações pré-históricas na região.