Da Inglaterra, professora cria curso de inglês de graça para crianças e adultos do Alemão, no Rio

Da Inglaterra, professora cria curso de inglês de graça para crianças e adultos do Alemão, no Rio

Com boa vontade, algum dinheiro e ajuda das redes sociais, professora brasileira mobilizou voluntários, conseguiu doações e montou curso que já tem 5 turmas funcionando.

Leia tudo

Para tirar do papel um projeto social que ensina inglês, de graça, para moradores do Complexo do Alemão, no Rio, a professora carioca Cláudia Bellizzi precisou basicamente de três coisas: boa vontade (que ela e muitos voluntários parecem ter de sobra), algum dinheiro e redes sociais.

Lá da Inglaterra, onde mora há cinco anos, ela criou um curso batizado de The English Club Alemão. As aulas começaram em fevereiro com três turmas de 15 alunos cada uma – duas de crianças e uma de adultos. Neste sábado (14), tiveram início mais duas novas turmas, cada uma com mais 20 crianças da comunidade, que fica na Zona Norte do Rio. Tudo é gratuito, incluindo o material didático.

“Desde que me mudei para a Inglaterra, passei a ter uma visão ainda mais crítica sobre os problemas sociais do Brasil. A vontade de contribuir de alguma maneira, mesmo de longe, era grande. Fiquei triste ao ver quantas pessoas perdiam oportunidades de crescer profissionalmente por não serem fluentes em inglês”, conta ao G1 a criadora do curso, que é professora de inglês há mais de 20 anos.
“Aí, pensei: vou dar um jeito de oferecer aulas de inglês gratuitas e de qualidade para os moradores de alguma comunidade.”

O curso começou na cabeça e no bolso de Cláudia, mas ela foi logo encontrando parceiros e voluntários. "É muito recompensador ver que uma ideia bacana que eu tive e que está dando supercerto, está tendo uma resposta muito boa da comunidade, está também provocando outras ondas positivas", diz.

Professora da comunidade
Cláudia Bellizzi diz que foi pela internet que estreitou laços com moradores do Alemão, especialmente através de Renê Silva, criador do jornal “Voz das Comunidades”. Ele a ajudou a montar o curso e acabou, inclusive, virando aluno.

Também do Alemão é a estudante de letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Nathalia Nascimento, contratada para dar as aulas no curso – é Cláudia quem banca os salários da professora.

"A escolha de Nathalia foi feita dentro do conceito que norteou o projeto desde o início: dar vez a pessoas que tenham laços com a comunidade. A Nathalia tem raízes na comunidade, tem enorme carinho pelo Alemão”, diz a criadora do curso.

Lá da Inglaterra, Cláudia treinou Nathália no conceito pedagógico e, com ela, acompanha à distância as aulas e os alunos.

"Eu me sinto extremamente feliz e realizada em participar desse projeto. Eu e Cláudia temos reuniões semanais via Skype e nos falamos diariamente pelo WhatsApp. Além de discutir questões administrativas, nós preparamos, juntas, as aulas de todas as turmas, e avaliamos continuamente como está sendo o andamento do curso", diz Nathália.

Para quem faz o curso, como a esteticista Géssica Maria Machado, de 28 anos, o projeto é uma maneira de motivar os moradores da comunidade.

"Tudo isso é uma forma de incentivo para as pessoas não deixarem de acreditar que é possível a gente alcançar nossos sonhos - e que está tendo oportunidades para isso.”
"Já há muito tempo é fundamental que qualquer profissional, seja lá de que área for, tenha um conhecimento razoável da língua inglesa. O curso é importante demais e o fato de ser muito voltado à conversação torna a experiência ainda mais rica”, diz Géssica.

A aluna comemora: “Recebemos a visita de americanos e ingleses e ficamos felizes quando percebemos que podíamos conversamos no idioma deles. De certa forma, isso muda nossas vidas”.

Material didático da Inglaterra
Para as primeiras turmas do curso, quem bancou o material didático, todo vindo da Inglaterra, foi a própria Cláudia. Mas a "onda positiva" que, como diz Cláudia, vai se espalhando, trouxe uma parceria ao projeto, a Cambridge University Press, editora voltada a projetos educacionais, que já começou a fornecer livros e cadernos. O curso também tem recebido doações de cadernos, lápis, canetinhas e outros materiais. As aulas são dadas em uma sala cedida pela Igreja Batista Filha de Sião.

"Para mim, os projetos sociais são extremamente relevantes, pois ajudam a mudar a realidade, muitas vezes precária, de um conjunto de pessoas. Criam uma grande onda do bem e ajudam a espalhar esse sentimento por vários lugares”, diz Nathália.

Professora voluntária
A iniciativa tomada por Cláudia do outro lado do Atlântico acabou motivando também gente de fora da comunidade do Alemão, como a professora Elvira Souza, que ficou sabendo do curso por uma reportagem de jornal.

"Não sei bem explicar o motivo, mas aquilo mexeu comigo. Tive certeza de que precisava participar daquele iniciativa", relembra. Veterana de outros programas sociais, decidiu naquele mesmo dia procurar por Cláudia para se oferecer como voluntária. Depois de encontrá-la nas redes sociais, de longas conversas e de um treinamento, tornou-se professora do curso.

O resultado do empenho começou a ser visto neste sábado, quando Elvira assumiu duas turmas do English Club Alemão – ao todo serão 35 alunos, cujas idades variam entre 9 e 12 anos. Um número que, segundo ela, poderá aumentar em pouco tempo.

"Quando traziam os filhos para serem matriculados no curso, as pessoas da comunidade perguntavam se não poderiam estudar também. Para mim, é bem claro que elas querem aprender, crescer. Conhecer um outro idioma, sobretudo o inglês, faz uma diferença imensa na vida de qualquer pessoa", afirma Elvira, feliz ao já ser chamada de "teacher Vivi" pelos alunos.
Professor gringo
O americano Timothy Cunningham, o Tim, tem um canal no YouTube em que ensina inglês. Amigo de Renê Silva (“conheci no churrasco”, diz), ele soube do English Club Alemão, recebeu um convite para visitar a comunidade e acabou dando uma aula.

“Ele me deu um tour no complexo. Dei aula para as crianças, foi muito legal. Acho que era o primeiro gringo que a maioria conheceu. Fui com meu irmão, que não fala português. Eles são muito interessados”, lembra Tim, que mora em Nova Jersey, nos EUA, e diz ter aprendido português com amigos brasileiros.

“Pode mudar sua vida se você falar um inglês fluente. Sei que só era uma aula, mas só com uma aula você mudar o caminho da sua vida, ficar muito mais interessado. É uma coisa que, mesmo sendo pequena, eu posso ajudar pessoas que não têm tantas oportunidades.”

Imagina as oportunidades
Cláudia e Renê Silva notaram que muitos moradores do Alemão já sabiam um pouquinho da língua e queriam avançar. "Percebemos juntos que a maior necessidade das pessoas adultas era de um nível intermediário em vez de iniciante. Geralmente estudamos na escola ou já fizemos algum outro cursinho, então vimos que era importante ter uma continuação para avançar no inglês dessa galera", explica Renê.

"A Géssica é um exemplo dessa situação. Ela já tinha um conhecimento básico do idioma e agora poderá ir mais longe. Imagine quantas oportunidades profissionais irão surgir para ela e todos que participam do curso. Não dá nem para medir o quanto de benefícios essa iniciativa já começou a trazer para o Alemão", conclui.
Da Inglaterra, professora cria curso de inglês de graça para crianças e adultos do Alemão, no Rio Da Inglaterra, professora cria curso de inglês de graça para crianças e adultos do Alemão, no Rio Da Inglaterra, professora cria curso de inglês de graça para crianças e adultos do Alemão, no Rio