Após retirar Joice, PSL acena que irá se associar a candidato socialista em São Paulo

Após retirar Joice, PSL acena que irá se associar a candidato socialista em São Paulo

O deputado Jair Bolsonaro (RJ), presidenciável do PSL, e o empresário Paulo Skaf, pré-candidato do MDB ao governo paulista, iniciaram uma aproximação para uma eventual aliança na disputa pelo Palácio

Leia tudo

As conversas com o emedebista ocorrem em paralelo ao esforço do grupo de Bolsonaro em formar uma frente suprapartidária. A ideia original da legenda em São Paulo era lançar a candidatura da advogada Janaína Pascoal, nome considerado “competitivo” por Bolsonaro por ela ter sido uma das signatárias do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff na Câmara. Como Janaína declinou do convite, Bolsonaro ficou sem opções em São Paulo, que possui cerca de 33 milhões de eleitores.

SKAF FOI PRESIDENTE DO PSB, PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO

Na mais recente pesquisa Ibope/Band de intenção de voto no Estado, divulgada no dia 28 de maio, Bolsonaro apareceu na liderança com 19% ante 15% do ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB.

Cautela. Aliados de Skaf avaliam reservadamente que a aliança poderia dar a Skaf um palanque com a presença de dois presidenciáveis: o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles e Bolsonaro, além reforçar o discurso da segurança pública – principal mote do presidenciável do PSL.

O nome de Bolsonaro, porém, sofre forte resistência dos partidos do “centro” que, como o MDB, querem evitar uma polarização entre ele e a esquerda na campanha.

Skaf, que se licenciou nesta quarta-feira, 6, da presidência da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), tem tratado o assunto com cautela: não quer fechar a porta para um acordo, mas também teme melindrar o Palácio do Planalto, Meirelles e outros potencias aliados.

Ainda não está claro para Skaf o impacto de uma eventual aliança, mas o pré-candidato do MDB falou do assunto recentemente com o deputado federal Major Olímpio, presidente do PSL paulista. “Eu conversei com Skaf como presidente do PSL e naturalmente a eleição paulista entrou no assunto. Pode ser uma vantagem para o Bolsonaro ter uma palanque forte em São Paulo. Para nós é um ponto de honra vencer o PT e o PSDB no Estado”, disse Olímpio.

Procurado por meio de sua assessoria, Skaf disse que não iria se manifestar.

Segundo o presidente do MDB paulista, deputado federal Baleia Rossi, Skaf está cuidando pessoalmente das alianças em torno da chapa majoritária, enquanto a direção estadual da proporcional. “Não falo sobre o que não aconteceu”, afirmou Rossi. Até o momento, o MDB não fechou aliança com nenhum partido em São Paulo.
Após retirar Joice, PSL acena que irá se associar a candidato socialista em São Paulo